O método bifásico para fixação de indenizações por dano moral

22 de outubro de 2018

O método bifásico para fixação de […]

Prazo prescricional para cobrança de frete terrestre é de cinco anos

19 de outubro de 2018

Prazo prescricional para cobrança de frete […]

Fisco deve fundamentar inclusão de nome de sócio na dívida ativa, diz STJ

16 de outubro de 2018

Fisco deve fundamentar inclusão de nome […]

Exame de pedido de reversão de justa causa pode afetar prescrição

15 de outubro de 2018

 
Exame de pedido de reversão de […]

LEI Nº 13.725/ 2018:

05 de outubro de 2018

LEI Nº 13.725/ 2018:

Altera a […]

DECRETO Nº 4310-R, DE 01 DE OUTUBRO DE 2018:

03 de outubro de 2018

DECRETO Nº 4310-R, DE 01 […]

Reforma trabalhista: Empregada que não compareceu à audiência terá que arcar com as custas do processo.

02 de outubro de 2018

Reforma trabalhista: Empregada que não compareceu […]

Limite do cheque especial não pode ser penhorado para pagar dívida trabalhista

01 de outubro de 2018

Limite do cheque especial não pode […]

MP pode usar dados bancários enviados pela Receita, sem autorização judicial, após processo administrativo Não constitui ofensa ao princípio da reserva de jurisdição o uso pelo Ministério Público, sem autorização judicial, de dados bancários obtidos pela Receita Federal, para fins de apresentação de denúncia por crime tributário, ao término do processo administrativo. Com esse entendimento, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça deu provimento a um recurso do MP para reconhecer a licitude da prova e determinar novo juízo de admissibilidade de denúncia formulada contra contribuinte que deixou de declarar renda, o que configuraria crime contra a ordem tributária de acordo com o artigo 1º da Lei 8.137/90. Segundo o ministro Felix Fischer, relator do caso, o envio de informações sigilosas da Receita para o MP não representa ofensa ao princípio da reserva de jurisdição, uma vez que decorre da mera obrigação legal de comunicar às autoridades competentes a ocorrência de possível ilicitude. A reserva de jurisdição significa que os membros do Poder Judiciário têm exclusividade para a prática de determinados atos, o que limita a atividade de outros órgãos com poderes de investigação. “Em síntese, não constitui ofensa ao princípio da reserva de jurisdição o uso pelo Ministério Público, para fins penais, sem autorização judicial, de dados bancários legitimamente obtidos pela Receita Federal (LC 105/2001, artigo 6º) e compartilhados no cumprimento de seu dever legal, por ocasião do esgotamento da via administrativa fiscalizatória e constatação de possível prática de crime tributário”, resumiu Fischer. O ministro explicou que o caso analisado se enquadra nesta exceção, porque a denúncia se amparou nos elementos de prova remetidos pela Receita ao MP quando encerrado um processo administrativo fiscal que colheu, entre outras provas, dados bancários. Ele destacou também que o Supremo Tribunal Federal tem entendimento no sentido da legitimidade da prova material obtida no procedimento tributário, sendo legal o compartilhamento com o MP para fins de persecução penal, independentemente de autorização judicial. O caso analisado, segundo o ministro, é diferente da quebra de sigilo bancário para fins penais, procedimento que exige autorização judicial específica. Fonte: STJ. Cabe recurso de agravo em decisão de recuperação judicial, diz STJ É possível estender a interposição do recurso de agravo de instrumento às decisões que envolvam matérias dos regimes falimentar e recuperatório. Este foi o entendimento da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, nesta terça-feira (25/9), em análise de recurso para definir se os ditames do CPC/2015, de forma supletiva, poderão ser aplicáveis, e em qual extensão, ao sistema recursal da recuperação judicial. A discussão se deu a partir do recurso de uma empresa de pescado e outra de exportação que ajuizaram recuperação judicial. Durante a tramitação, o magistrado de piso, em decisão interlocutória determinou que as empresas efetuassem o imediato depósito de 40% dos honorários do administrador judicial sob pena de convolação da recuperação em falência, bem como indeferiu o pleito de renovação do benefício fiscal de programa das empresas. O Tribunal de origem não conheceu do agravo de instrumento. As empresas alegaram que, embora não esteja expressamente previsto no rol taxativo do artigo 1.015 do CPC/15, é certo que caberá agravo de instrumento contra decisões interlocutórias proferidas na recuperação judicial, pois, em se tratando de procedimento específico, não se terá a oportunidade de suscitar, em preliminar de apelação, as questões decididas durante o trâmite do feito, conforme exige o art. 1.009 do CPC/15. No voto, o relator, ministro Luís Felipe Salomão reconheceu o cabimento do agravo de instrumento e determinou o julgamento da ação pelo Tribunal de origem. “É possível a admissibilidade do recurso de agravo de instrumento em face de decisão proferida em sede de recuperação judicial”. O entendimento foi seguido por unanimidade pela Turma. O ministro afirmou que o Código de Processo Civil, na qualidade de lei geral, é, ainda que de forma subsidiária e supletiva, a norma a espelhar o processo e o procedimento no direito pátrio, sendo normativo suplementar aos demais institutos do ordenamento e, conquanto dispensável disposição expressa nesse sentido, o legislador tem afirmado e reafirmado sua incidência nessas circunstâncias. “Ainda de início, é preciso reconhecer que, no tocante à incidência subsidiária do Código de Processo Civil na sistemática recursal falimentar, não se olvide que, tal aplicação, nunca foi de simples exegese”, disse. Para o ministro, havendo disposição expressa da Lei de Recuperação de Empresas e Falência (LREF), esta prevalece sobre os numerus clausus do artigo 1.015 do CPC, de modo que a aplicação deste será apenas no suprimento de lacunas e omissões. “Por outro lado, se o provimento judicial no âmbito falimentar/recuperacional se enquadrar em uma das hipóteses do rol do CPC, tutela provisória, será também, por óbvio, possível o manejo do agravo de instrumento”, explicou. O relator destacou que “a natureza também processual, de execução coletiva e negocial, da LREF justifica a interpretação do parágrafo único do art. 1.015 no CPC no sentido de estender a interposição do recurso de agravo de instrumento às decisões que envolvam matérias dos regimes falimentar e recuperatório”. Fonte: STJ.

27 de setembro de 2018

ANTT admite negociação sobre frete de […]

MP pode usar dados bancários enviados pela Receita, sem autorização judicial, após processo administrativo

26 de setembro de 2018

 
MP pode usar dados bancários enviados […]

TRT17 – Valor determinado em Petição Inicial não exige liquidação

25 de setembro de 2018

TRT17 – Valor determinado em Petição […]

Uso de produtos de limpeza doméstica não caracteriza insalubridade

24 de setembro de 2018

Uso de produtos de limpeza doméstica […]

TST aplica julgamento do STF sobre terceirização

21 de setembro de 2018

TST aplica julgamento do STF sobre […]

É inconstitucional bloqueio de bens pela Fazenda sem ordem judicial, diz PGR

19 de setembro de 2018

É inconstitucional bloqueio de bens pela […]

Atraso na comunicação de férias não gera pagamento em dobro

18 de setembro de 2018

Atraso na comunicação de férias não […]

Homologação de distrato comercial na Justiça Comum não impede pedido de reconhecimento de vínculo

17 de setembro de 2018

Homologação de distrato comercial na Justiça […]

Lei de Proteção de Dados: o que muda nas relações de trabalho

14 de setembro de 2018

Lei de Proteção de Dados: o […]

BacenJud é ampliado para alcançar títulos públicos federais

13 de setembro de 2018

BacenJud é ampliado para alcançar títulos […]

Empregador não pode ser réu em ação sobre contribuição sindical movida por sindicato

11 de setembro de 2018

Empregador não pode ser réu em […]

Dano moral coletivo exige lesão intolerável de valores fundamentais da sociedade

10 de setembro de 2018

Dano moral coletivo exige lesão intolerável […]

Ex-empregado não tem direito à permanência em plano de saúde custeado exclusivamente pelo empregador

06 de setembro de 2018

Ex-empregado não tem direito à permanência […]

ANTT PUBLICA ALTERAÇÃO DOS PISOS MÍNIMOS DE FRETE

05 de setembro de 2018

ANTT publica alteração dos pisos mínimos […]

CNT questiona norma do TST que prevê aplicação do BacenJud ao processo do trabalho

26 de Julho de 2018

CNT questiona norma do TST que […]

Turma admite suspeição de testemunha que move ação de indenização por danos morais contra a ré

24 de Julho de 2018

“De acordo com Súmula 357 do […]

Justiça do Trabalho extrapola limites quando concede participação nos lucros

23 de Julho de 2018

Não cabe à Justiça do Trabalho […]

Cartilha da CNT esclarece implantação do e-Social para empresas de transporte

19 de Julho de 2018

Cartilha da CNT esclarece implantação do […]

Pedido de reparação por não pagamento de vale-pedágio prescreve em dez anos

18 de Junho de 2018

A Quarta Turma do Superior Tribunal […]

PORTARIA MF Nº 277/2018

11 de Junho de 2018

Atribui a súmulas do Conselho Administrativo […]