Após acidentes, Anac suspende voos com o Boeing 737 Max 8 e 9

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) proibiu nessa quarta-feira (13) o uso das aeronaves 737 MAX 8, da Boeing. A decisão da agência brasileira tem como base a decisão também tomada pela FAA (Autoridade Federal de Aviação) que suspendeu os voos com a aeronave do mesmo modelo nos Estados Unidos.

A medida vale tanto para o modelo 8 quanto para o 9, ambos produzidos pela empresa americana.A suspensão da operação com as aeronaves é em decorrência de dois acidentes, um na Etiópia no último fim de semana, que deixou 157 vítimas fatais, e outro na Indonésia, ocorrido em outubro de 2018, com 189 mortes. “Devido à similaridade dos dois acidentes, decidiu-se como medida preventiva que todas as operações comerciais utilizando a aeronave Boeing 737-8 com marcas brasileiras devem ser paralisadas até que as medidas de segurança apropriadas sejam tomadas”, diz nota oficial da Anac.

A própria Boeing já havia solicitado que a FAA aconselhasse ao mundo inteiro a interrupção dos voos com o 737 Max, e não apenas aos EUA. Fábio Campos, diretor-executivo da Embry-Riddle para a Américas Central e do Sul e piloto, explica que o avião foi montado em uma plataforma antiga, mas com novidades que o tornam mais eficiente. “ O 737 já existe há décadas e o Max é o modelo mais novo que veio com algumas melhorias. O motor é diferente e queima menos combustível, só que ele está localizado em uma posição mais à frente da aeronave.”

Campos explica que isso pode tender a trazer o nariz da aeronave para cima, gerando uma situação de “Estol”, ou perda de sustentação. Para corrigir esse problema, foi colocado um software, que comanda e estabiliza o nariz da aeronave. “O que acontece é que o software está lendo a situação de forma incorreta, quando não há perda de sustentação, por isso os acidentes podem estar acontecendo”, conclui.

O diretor ainda destaca que não é usual utilizar uma frota de aeronave que está com um problema técnico e que as investigações devem ser feitas de forma rápida. “Eles devem concluir a investigação da forma mais acelerada possível, pois existe uma frota de mais de 380 aviões desse modelo no mundo e o problema deve ser corrigido para que todos possam se sentir seguros em voar no modelo.”

No Brasil, apenas a GOL utilizava o modelo. A companhia suspendeu o uso das aeronaves na última segunda-feira (11). A empresa matinha sete aeronaves 737 Max 8 que operavam em rotas para os Estados Unidos, América do Sul e Caribe.

Em nota a companhia aérea brasileira cita que “sendo segurança o valor número um da GOL, a companhia informa que por liberalidade, suspenderá temporariamente as operações comerciais das suas aeronaves 737 Max 8″. O Boeing faz parte da recente expansão internacional da empresa, que conta com 135 encomendas dos modelos Max 8 e 10. Em todo o mundo, desde segunda-feira, mais de 40 países vetaram as operações com o Boeing, incluindo China, Índia e todos os integrantes da União Europeia.

Na última segunda-feira (11), o Procon-SP já havia pedido a suspensão imediata dos voos 737 MAX 8 da GOL. A companhia informou que passageiros com viagens previstas nas aeronaves serão comunicados e reacomodados em outros voos. Para mais informações, a empresa disponibiliza um telefone de atendimento: 0800 704 0465.

Fonte: CNT